Últimas Notícias


Tudo o que você precisa saber sobre financiamento imobiliário

Publicado em 27 de Maio de 2018 às 11:25 AM

Comprar um imóvel utilizando um financiamento imobiliário pode ser menos complicado do que parece. Os juros podem, de fato, preocupar muitas pessoas quanto ao valor a ser pago nas parcelas mensais do empréstimo bancário.

No entanto, com um planejamento financeiro a longo prazo bem definido e negociando com a empresa de crédito, pagar um financiamento pode não ser tão difícil. No geral, os prazos para quitação são longos — e as parcelas vão diminuindo de valor conforme são pagas.

Como funciona um financiamento de imóveis?
Se tratando da compra de um imóvel próprio, uma das formas mais fáceis de se conseguí-lo é realizando um financiamento imobiliário. Com o banco emprestando uma boa parte do valor total da compra do apartamento ou casa, o consumidor logo consegue fechar a compra do seu imóvel, tendo que se acertar por fora com a instituição financiadora.

No geral, quem trabalha com esse modelo de empréstimo são os grandes e médios bancos e as empresas focadas em crédito. No ato da compra do imóvel, a instituição executa à vista o pagamento da sua parte e, consequentemente, começa a cobrar do cliente em parcelas o valor do empréstimo somado a uma taxa de juros.

Porém, para conseguir esse montante, é necessário que a pessoa apresente uma série de documentos e, também, comprove sua renda mensal. Por mais que possuam um grande volume de dinheiro com liquidez — além dos lucros obtidos anualmente —, os bancos exigem garantias de que o cliente conseguirá arcar com as prestações do financiamento.

Nesse caso, além de devolver toda a quantia emprestada pela instituição no ato da compra do imóvel, é necessário pagar, mensalmente, uma porcentagem sobre o montante adquirido — os chamados juros. Pode-se classificar tal taxa como sendo o preço pelo simples ato de empréstimo realizado pela empresa de crédito. É cobrando juros que elas lucram com o financiamento.

O processo de financiamento imobiliário
Antes de realizar qualquer trâmite referente ao financiamento imobiliário, é preciso escolher o imóvel a ser comprado. Nessa etapa, considerar os custos em geral é o recomendado. Não só as prestações do empréstimo bancário, mas, também, os gastos com outros encargos financeiros no decorrer do processo de financiamento ou até mesmo o valor mensal de condomínio do imóvel.

Definido isso, chega a hora de realizar uma simulação de financiamento. Mesmo não sendo uma obrigação, é indicado que ela seja feita devido a quantidade de informações importantes que ela pode mostrar ao comprador. O montante máximo que será possível pegar emprestado no banco e o valor da primeira parcela são apenas dois exemplos.

Além disso, a taxa de juros do financiamento também será revelada ao comprador durante uma simulação. Sendo, de fato, o “preço” do empréstimo, pode ser importante calcular o quanto será necessário pagar apenas de lucro para a instituição de crédito antes de assinar o contrato de aquisição do mesmo.

Com os valores na mesa, chega a etapa que poderá acarretar na maior burocracia de todo o processo: a documentação. Geralmente, os bancos não solicitam tantos documentos quanto as pessoas possam imaginar — porém, todos deverão estar em ordem e sem nenhuma vírgula fora do lugar.

RG, CPF e Certidão de Casamento — ou de nascimento, caso o comprador não seja casado — são apenas alguns dos documentos necessários para que o contrato de aquisição seja gerado. Além dele, será preciso comprovar a sua renda e apresentar algumas certidões negativas requisitadas pela empresa de crédito.

Com toda a documentação levantada e aprovada pelo banco, é bem provável que um processo interno do mesmo possa ser realizado — como a visita de engenheiros da própria instituição para avaliar o valor do imóvel em questão. Paralelamente a isso, a imobiliária também deverá gerar o contrato de compra do bem imobiliário.

Só após a assinatura o consequente pagamento utilizando o dinheiro financiado é que, enfim, o imóvel será, de fato, comprado.

Fonte:Lorena Mendes/BEVENUTO

 

 

Voltar